terça-feira, 3 de abril de 2012

Pequenas considerações pessoais acerca do trabalho antigo e acerca do novo trabalho - #1.

Contrariamente ao que a maioria das pessoas deseja num trabalho, aqui esta que vos fala até prefere uma coisinha mais mexida, que, efectivamente, se possa chamar de trabalho.

No anterior, não me queixava, havia muito disso.

Convém referir que tal se devia a outros departamentos não funcionarem bem, nomeadamente o que devia passar a informação dos clientes às empresas que, supostamente, deveriam enviar o produto, e aí tínhamos muitos momentos no dia que eram do género:

"Ó menina, onde é que está o meu tablet/helicóptero telecomandado/relógio/soutien/plataforma vibratória oscilante que encomendei há 2 semanas/1 mês/9 meses?"

A que nós, invariavelmente, respondíamos:

"Já passámos a informação dos seus dados ao nosso departamento de parceiros, para que contacte com a empresa e nos confirme o estado da sua encomenda".

Que era, de facto, o que fazíamos.

Infelizmente, o departamento de parceiros da empresa trabalhava meio na lua, meio a abanar as mamocas na cara do senhor com nome de cão, e com a cabeça no ar feito os balõezinhos que meteram pelo escritório todo no dia do Valentim...

Estas comunicações típicas eram depois pontuadas por outras - e cada vez mais frequentes - do género:

"Ó menina, eu queria saber quando é que chega a bicicleta articulada/aspirador inteligente/relógio-espião/robot-de-cozinha-a-imitar-rascamente-a-bimbe que encomendei há 3 semanas/1 mês/6 meses."

Logo seguida de outra:

"Ó menina, eu sou o senhor das sapatilhas adelgaçantes/esfregona-eléctrica/auriculares/colchão viscoelástico, e gostaria muito de enviar o produto, até porque os clientes já me andam aqui a bater à porta e a ameaçar de porradinha, mas ainda estou à espera que o vosso departamento de parceiros me envie as moradas dos ditos clientes!!"

Ao que nós optámos por começar a responder:

"Olhe, deixe-me só ir ali buscar um taco de basebol/toalha molhada e enrolada/vassoura eléctrica para dar no trombil à anta do departamento de parceiros que ainda está ali a abanar as mamocas à frente dos olhos do senhor com nome de cão que, por acaso também é o chefe aqui do estaminé e um gajo, aparentemente, cheio de guito, a ver se ela desce com a cabeça à terra e vai fazer algum trabalho que se veja. Ora, com licença!"

Aqui no trabalho novo, apesar de ter um horário que "ai Jasus!", o habitual, nos dias apertados, como o de ontem, é receber 5 chamadas.

Três das quais enganadas, porque o número azul de uma clínica que faz radiografias é parecido, e estão sempre a tentar convencer-nos de que querem marcar mamografias, radiografias ao torax, à perna, ao pé e etc.

2 comentários:

Maria disse...

Pois, estou a ver que isso agora é mais " não se faz nada", estás a trabalhar em Portugal ?!

marta, a menina do blog disse...

Espanha.

É pena é que o ordenado é uma cacazita, tenho que gramar com fim de semana sim fim de semana não de trabalho, e um horário das 3h às 11h... sais de lá aos caídos, não fosse a máquina de café!